Preparo de hepatectomias utilizando reconstruções 3D

Preparo de hepatectomias utilizando reconstruções 3D de imagens de tomografia computadorizada

Dra. Renata Emy Ogawa -| Radiologista - Hospital Albert Einstein

12 novembro 2021

Nesse artigo, a Dra. Renata Emy Ogawa descreve e exemplifica com casos reais sobre o Preparo de hepatectomias, utilizando reconstruções 3D de imagens de tomografia computadorizada.

Cirurgias hepatobiliares

Houve aumento exponencial nas cirurgias hepatobiliares nos últimos 20 anos com a melhora das técnicas cirúrgicas e anestésicas, suporte de unidades de terapia intensiva e melhora dos tratamentos neoadjuvantes, tendo o potencial de melhorar significativamente o prognóstico de pacientes que não eram considerados candidatos a cirurgias curativas, tanto no caso de metástases quanto de neoplasias primárias malignas.

Ainda, com a melhora das técnicas de transplante hepático intervivos, houve aumento da quantidade de potenciais doadores para tratamento de doenças hepáticas terminais.

Planejamento pré-cirúrgico

Nesse cenário, o planejamento pré-cirúrgico por imagem é de extrema importância para se evitar insuficiência hepática, hemorragias, fístulas biliares, congestão hepática e outras morbidades significativas.

Atualmente, considera-se tumor(es) operável(is) aquele cuja ressecção permite deixar um remanescente hepático de volume suficiente, o que varia de acordo com os antecedentes do paciente, com drenagem venosa e biliar e aportes arterial e portal adequados.

A descrição detalhada das anatomias vascular e biliar é difícil de se realizar e as diversas classificações não contemplam todas as possíveis variações anatômicas.

A maior parte das pessoas tem uma melhor comunicação visual, com isso imagens “falam” mais do que palavras e são melhores fixadas na memória pela maioria das pessoas.

Por isso as reconstruções 3D facilitam e muito a comunicação entre o radiologista e o cirurgião. Não ficam imprecisões ou ambiguidades pela dificuldade de se descrever o que está sendo visto.

Além disso, determinando-se a anatomia vascular, pode-se estimar o volume de parênquima que é nutrido ou drenado por determinado vaso, podendo-se melhor prever volume hepático residual funcional (o remanescente hepático futuro).

Reconstruções 3d e volumetrias hepáticas

Reconstruções 3D e volumetrias hepáticas podem ser realizadas em softwares de diversas empresas e custam precioso tempo do radiologista. A Fujifilm incorporou IA (Inteligência Artificial) no software para reconhecer e segmentar automaticamente:

  • fígado;
  • vasos hepáticos;
  • esqueleto e pele

Assim como, de forma semi-automática reconhece vias biliares e tumores, permitindo realizar hepatectomias virtuais. Dentro do ambiente de realidade virtual (reconstruções 3D) podemos inserir os vasos, tumores e vias biliares segmentados (virtualidade aumentada).

O aumento do uso e disponibilidade de reconstruções 3D permitirão que mais pacientes realizem grandes hepatectomias com segurança.

Relatos reais de hepatectomias, utilizando reconstruções 3D de imagens de tomografia

Aqui, relato 2 casos de hepatectomias, cuja as reconstruções 3D foram essenciais para determinar a operabilidade dos pacientes e planejar melhor a estratégia cirúrgica.

Caso 1:

Paciente masculino de 61 anos, previamente hígido, com dor no epigástrio há 2 meses, com perda de peso e urina alaranjada. Em exames de investigação, foi identificado um nódulo hepático peri-hilar nos segmentos IVb, V e VIII, sugestivo de colangiocarcinoma.

O cirurgião planejava uma trissetorectomia direita e solicitou estudos vascular por tomografia computadorizada e biliar por ressonância magnética com volumetrias hepáticas.

O volume do remanescente hepático futuro (setor lateral esquerdo) era muito pequeno, consistindo de 11,4% do volume hepático total.

Com isso, alguma tática de aumento de volume hepático deveria ser empregada (por exemplo, embolização de veia porta); precisaria ser tratamento em 2 tempos, postergando o tratamento definitivo e aumentando o risco de progressão da doença.

Mudança de estratégia

Através das reconstruções 3D, uma parte muito pequena do tumor, invadindo o setor medial esquerdo (segmento IVb) e que a veia hepática média estava livre, então propus a realização da hepatectomia direita com pequena ampliação para o segmento IVb.

Com isso o remanescente hepático futuro seria de 33,8%, não necessitando de estratégias para aumento hepático. Cirurgia em tempo único. Menos morbidade e aumento das chances de cura.

Figura 1: reconstrução 3D com volumetrias hepática total (1428 mL) e dos segmentos II (86 mL) e III (77mL), mostrando um remanescente hepático futuro de volume insuficiente (11,4%). Veia porta em rosa claro e tumor em rosa escuro mostrando a relação com o ramo portal direito.

Figura 2: imagem de tomografia computadorizada fase portal com segmentação em 2D dos lobos direito (cor salmão) e esquerdo (cor amarelo), do tumor (cor rosa escuro), veia porta (cor rosa claro), artéria hepática (cor vermelho) e veias hepáticas (cor azul), mostrando que apenas pequena porção do nódulo comprometia o lobo esquerdo.

Figura 3: reconstrução 3D. Lobo direito amarelo opaco e lobo esquerdo marrom transparente. Tumor rosa escuro e veia porta rosa claro. Novamente mostrando que apenas pequena porção do nódulo se encontrava no lobo esquerdo.

Figura 4: reconstrução 3D. Fígado marrom transparente. Veias porta e hepáticas em azul e tumor em rosa escuro. Notar o espaço entre o nódulo e a veia hepática média, dando margem para preservação da mesma na cirurgia.

Caso 2:

Paciente masculino de 57 anos operado de câncer de sigmoide e apresentando boa resposta à quimioterapia para tratamento de múltiplas metástases hepáticas.

Apresentava 9 nódulos no total, sendo que uma delas determinava obstrução da veia hepática direita e mantinha amplo contato com a veia hepática média e a outra afilava a veia hepática esquerda. Foi considerado inoperável por não haver drenagem venosa no remanescente hepático futuro.

Mudança de avaliação sobre operabilidade

Realizou angiotomografia computadorizada com reconstruções 3D e volumetrias que mostraram presença de duas veias hepáticas acessórias no lobo direito e colaterais venosas que drenavam as tributárias da veia hepática direita para tais veias acessórias.

Com isso, estava garantida a drenagem venosa dos setores anterior e posterior direitos. A distribuição dos tumores nos segmentos V, VI e VII era periférica, aspecto facilmente visto na reconstrução 3D, por isso, as nodulectomias poderiam ser realizadas com baixas dificuldades.

O lobo esquerdo não teria drenagem venosa e o nódulo do segmento VIII era de difícil ressecção.

O volume do remanescente hepático futuro (segmentos I, V, VI e VII) era de 53%. Não era necessária nenhuma estratégia de aumento hepático, mesmo após quimioterapia com medicações hepatotóxicas. O paciente era operável.

Atualmente, somente a cirurgia tem potencial curativo para esses casos, oportunidade essa que foi dada ao paciente após cuidadoso planejamento pré-operatório.

Figura 1: tomografia computadorizada fase portal mostrando os 2 tumores que comprometiam as veias hepáticas direita, média e esquerda.

Figura 2: Vista cranial da reconstrução 3D das veias hepáticas e cava inferior (em azul) e dos tumores (em rosa).  Veias hepáticas direitas acessórias (setas) com colaterais que drenam as tributárias da veia hepática direita principal.

Figura 3: Vista lateral direita da reconstrução 3D das veias hepáticas e cava inferior (em azul) e dos tumores (em rosa). Veias hepáticas direitas acessórias (setas espessas) com colaterais que drenam as tributárias da veia hepática direita principal (seta fina).

 

 

 

 

 

 

Figuras 4, 5 e 6: vistas oblíquas da reconstrução 3D das veias hepáticas e cava inferior (em azul) e dos tumores (em rosa), mostrando a distribuição periférica dos tumores no lobo direito.

MAIS NOTÍCIAS

VER MAIS

Descubra onde pode ser aplicada a inteligência artificial na saúde

A inteligência artificial é um recurso que tem aumentado consideravelmente a eficiência de muitos negócios. Ela vem sendo cada vez mais incorporada à a área…

Entenda a importância da tecnologia em gestão hospitalar

A saúde é uma área bastante delicada, que admite poucos erros e requer processos ágeis e precisos. Com isso, os gestores do setor precisam estar…

Conheça o significado das numerações da classificação BI-RADS™

Quando você precisa fazer algum exame como ultrassonografia, ressonância magnética ou mamografia, existe uma classificação responsável por categorizar eventuais lesões que possam ser identificadas. Ela…

Escolha sua área de interesse e acompanhe as novidades da Fujifilm Brasil

Se inscreva na nossa newsletter e fique por dentro do assunto!