mamografia digital

Opinião de usuário Amulet Innovality

Fujifilm

23 julho 2021

 

A mamografia ainda é o padrão ouro no diagnóstico precoce do câncer de mama e o exame relevante para programas de rastreamento de mama. A precisão e a sensibilidade deste exame são totalmente dependentes da qualidade da imagem, que, por sua vez, é influenciada pela forma como é adquirida.

Além de contribuir para a eficácia esperada do programa de triagem e reduzir os recalls técnicos, em muitos casos (principalmente no rastreio), a técnica correta na realização de uma mamografia permite que a dúvida diagnóstica seja evitada (ou pelo menos limitada) quando esta é afetada pela má qualidade das mamografias.

Na verdade, embora a tecnologia digital facilite a qualidade do ponto de vista radiográfico, a técnica de posicionamento e a compressão eficaz continuam sendo fatores cruciais. Como a pressão é resultado da relação força-superfície, com a mesma força de compressão as mulheres com seios menores ou mais firmes sentirão mais dor devido à superfície de contato reduzida.

Como resultado (dentro de certos limites condicionados pelas características da mama e a correção do posicionamento), a manobra de compressão tem uma grande influência na qualidade da imagem e na experiência da paciente.

De fato, de acordo com a literatura sobre o assunto, aproximadamente 75% das mulheres consideram a mamografia uma experiência dolorosa, em 12% dos casos afetando a adesão ao programa de rastreamento, convocação precoce ou checagem de seguimento. Porém, a dor não depende apenas da compressão da mama.

Dr. TSRMS Stefano Pacifici

Vice-presidente AITeRS
Coordenador do Grupo de Trabalho TSRMS – Senonetwork Italia

 

 

A mesma literatura revela a existência de vários fatores de “risco de dor”, em parte subjetivos – como a expectativa ou memória da dor, sensibilidade mamária e estado psicoemocional – ou relacionada à atitude e habilidades interpessoais da paciente, que, se inadequadas, podem aumentar o risco de dor em até 260%, influenciando por sua vez na expectativa/memória da dor e o estado psicoemocional da mulher.

Por outro lado, dar à mulher a possibilidade de participar ativamente da realização da manobra de compressão pareceria reduzir em 65% o risco de dor.

De acordo com um estudo recente publicado no European Journal of Cancer, o controle total e independente da compressão pelo paciente usando um dispositivo assistido por paciente melhoraria o fluxo de trabalho, a adesão e a conformidade, sem comprometer a qualidade da imagem ou aumentar a dose glandular.

Contribuí pessoalmente com vários estudos para este campo de pesquisa e concordo plenamente com a opinião de que dar às mulheres uma certa medida de controle sobre a compressão é uma solução eficaz. Por outro lado, é óbvio que um dispositivo de compressão assistido pelo paciente pode melhorar o fluxo de trabalho e a experiência do paciente apenas nos casos em que a mamografia é realizada por médicos não dedicados ou inexperientes.

Na verdade, negligenciar o tempo gasto para explicar à mulher o procedimento, os motivos e a importância da compressão mamária, mais tempo para orientar o uso do dispositivo, monitorar e estimular a compressão para que seja realmente eficaz, não é nada menos do que o necessário para um profissional dedicado e especialista informar sobre a opção de interromper a manobra antes que ela se torne dolorosa.

Resultados de um estudo apresentado no ECR 2017 que avaliou a influência das habilidades relacionais no risco de dor por entrevistas divulgadas por 300 mulheres antes e depois da mamografia, relataram que após aconselhamento adequado e participação ativa durante a compressão, de 231 e 270 mulheres que esperado, respectivamente, uma experiência dolorosa ou desagradável, apenas 33 e 12, respectivamente, mantiveram sua opinião.

 

A aprovação da participação ativa opcional, das informações preliminares e da configuração da sala foi, respectivamente, 96,8%, 77%, 94,3%, e a avaliação positiva sobre a influência da atitude da paciente de 99%.

Além disso, a análise de regressão linear mostrou que a expectativa de dor e desconforto são os fatores de risco mais comuns entre as mulheres que já fizeram mamografia no passado, ao contrário das mulheres na primeira mamografia, para as quais é fundamental a atitude da equipe, bem como para mulheres no acompanhamento, além do efeito de “ansiedade de varredura”.

Mamografia digital

Há alguns anos, em minha prática diária, as mamografias são realizadas com o Amulet Innovality em um ambiente cuidadosamente projetado com iluminação relaxante, difusão de música e essências, de acordo com os princípios da cromo-música- e aromaterapia.

Graças à implementação desses elementos e do sistema de compressão adaptável, que garante uma distribuição mais uniforme da compressão, consegui uma melhoria significativa na qualidade da imagem e na experiência do paciente.

Graças ao AEC inteligente que permite a exposição automática das mamas implantadas, bem como a um novo algoritmo de reconstrução iterativa que melhora a otimização da imagem com uma dose menor, até a experiência de mulheres com implantes mamários agora é melhorada.

Obviamente, apenas a tecnologia e a configuração adequada da sala não valem nada se faltarem as habilidades técnicas, relacionais e comunicativas.

A mamografia deve ser sempre supervisionada por radiologistas de mama devidamente treinados e qualificados, cuja formação na Itália foi recentemente definida pelo Grupo de Trabalho Senonetwork TSRM, de acordo com as diretrizes europeias e recomendações EUSOMA.

 

Referências

    1. Hashimoto B. Practical Digital Mammography [Mamografia digital prática]. Thieme, 2007
    2. de Groot J, Branderhorst W, Grimbergen C, den Heeten G, Broeders M. Towards personalized compression in mammography: A comparison study between pressure- and force-standardization. [Rumo à compressão personalizada em mamografia: Um estudo de comparação entre padronização de pressão e força]. European Journal of Radiology, 2015; 84 (3): 384-391
    3. Pacifici S. Dose, compression and risk of pain. [Dose, compressão e risco de dor]. Imagen Diagnostica, 2015; 7 (2): 50-53
    4. Bruyninckx E, Mortelmans D, Van Goethem M, Van Hove E. Risk factors of pain in mammographic screening. [Fatores de risco de dor em rastreamento mamográfico]. Ciências Sociais e Medicina, 1999; 49 (7): 933-941
    5. Goethem M.V, Mortelmans D, Bruyninckx E. et al. Influence of the radiographer on the pain felt during mammography. [Influência do radiologista na dor sentida durante a mamografia]. Eur Radiol, 2003; 13 (10): 2384–2389
    6. Balleyguier et al. Patient-assisted compression helps for image quality reduction dose and improves patient experience in mammography. [A compressão assistida pelo paciente ajuda a reduzir a dose da qualidade da imagem e melhora a experiência do paciente em mamografia.] European Journal of Cancer, 2018; 103: 137-142
    7. Pacifici S. Decreasing anxieties of women undergoing mammography. [Diminuindo as ansiedades das mulheres submetidas à mamografia]. J Women’s Health Care 2016; 5 (2)
    8. Pacifici S. et al. (Grupo de Trabalho Senonetwork TSRM). Il core curriculum del TSRM in senologia [Il core curriculum del TSRM em senologia]. Senonetwork Italia, 2017
    9. Cataliotti L. et al. Guidelines on the standards for the training of specialised health professionals dealing with breast cancer. [Diretrizes sobre as normas para a formação de profissionais de saúde especializados no tratamento do câncer de mama].

European Journal of Cancer, 2007; 43: 660-675 Publicado por FUJIFILM Europe GmbH

MAIS NOTÍCIAS

VER MAIS

Descubra onde pode ser aplicada a inteligência artificial na saúde

A inteligência artificial é um recurso que tem aumentado consideravelmente a eficiência de muitos negócios. Ela vem sendo cada vez mais incorporada à a área…

Entenda a importância da tecnologia em gestão hospitalar

A saúde é uma área bastante delicada, que admite poucos erros e requer processos ágeis e precisos. Com isso, os gestores do setor precisam estar…

Conheça o significado das numerações da classificação BI-RADS™

Quando você precisa fazer algum exame como ultrassonografia, ressonância magnética ou mamografia, existe uma classificação responsável por categorizar eventuais lesões que possam ser identificadas. Ela…

Escolha sua área de interesse e acompanhe as novidades da Fujifilm Brasil

Se inscreva na nossa newsletter e fique por dentro do assunto!